Esta técnica é realizada quando há produção de mais embriões do que o necessário para a fertilização. Somente os de boa qualidade têm maior chance de sobrevivência. Os embriões excedentes são guardados em botijões de nitrogênio líquido onde podem permanecer por tempo indeterminado.

 

Esses embriões podem ser utilizados, mesmo apresentando menor taxa de sobrevivência do que os embriões a fresco. Vinte e quatro horas antes da transferência os embriões são descongelados, cultivados e então é verificada a sua viabilidade. O útero da paciente deve ser preparado para receber os embriões descongelados.